O Presépio e a Neurolinguística

ÂNCORA é uma ferramenta da Neurolinguística que poucos conhecem e por isso é usada de forma acanhada.

Informações repetidas tornam uma dúvida em certeza.

Desde quando éramos crianças sempre contemplamos os belos presépios montados nas igrejas e em casas de religiosos.

Figuras clássicas:

– Uma jovem mulher com uma criança nos braços, um homem com um cajado, alguns animais, um homem alado, três reis com presentes ao recém-nascido.

Isso é clássico e está ancorado em nossa mente.

Se analisar a história perceberemos diferenças que ninguém questiona e duvidarão até da Bíblia.

Primeiro contraste, a história diz que José era carpinteiro e jamais portaria um cajado, que era a ferramenta de trabalho de um pastor de ovelhas.

Segundo contraste são os reis magos, que moravam distante de Belém e levariam dias ou até meses para chegar até Jesus, pois vieram em comitiva com muitas pessoas, vieram montados em camelos. E a própria Bíblia afirma que os reis magos chegaram na casa de Jesus.

Podemos ler no verso 11 do capítulo 2 do livro de Mateus:

– “E, entrando na casa, acharam o menino com Maria, sua mãe, e, prostrando-se, o adoraram;”. Perceba que o presépio não foi citado.

Presépio era o curral onde dormiam os animais.

O capitulo dois do livro de Mateus conta a trajetória dos reis magos; e, veremos que a caminhada foi longa.

Maria ficou pouco tempo no presépio, ela era descendente de reis, como José.

A âncora da história inibe a credibilidade de conto diferente.

A PNL motiva-nos a ler com clareza, sem hermenêuticas dos teólogos.

Ensinamos Programação Neurolinguística.

Visite nosso site www.idecontroller.com.br

Deixe seu comentário

Os comentários abaixo são de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Jornal Imprensa ABC. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos usuários e a conta do Facebook do autor poderá ser banida.