Manias compulsivas

Oferecer atividades que estimulem física e mentalmente os animais de estimação é uma atitude importante para mantê-los equilibrados e longe de problemas comportamentais.

Animais que possuem predisposição genética, que são mantidos em ambientes sem estímulos, em situações estressantes e/ou que não possuem alternativas de dar vazão para a ansiedade, podem desenvolver comportamentos compulsivos. Estes podem ser qualquer comportamento do repertório natural (ou não), mas exibido fora de contexto, em intensidade exacerbada e sem motivo aparente.

Alguns exemplos são: correr atrás da cauda, perseguir a própria sombra, lamber exageradamente as patas, arrancar pelos, latir por longos períodos, andar em círculos.

Quando os animais são expostos a condições que desencadeiam estes comportamentos por um período prolongado, podem fazer com que estes se tornem problemas compulsivos, que muitas vezes duram a vida toda. Isso acontece porque as atitudes, as manias, levam a um mecanismo de retroalimentação, ou seja, o animal acaba se autorrecompensando com tais comportamentos.

A melhor forma de combater as manias compulsivas é não deixar que elas sejam instaladas, dando vazão para a ansiedade através da criação de atividades que combatam o tédio do amigo peludo. Algumas dicas são utilizar brinquedos de nylon para o amigo roer, brinquedos recheáveis com petiscos, proporcionar atividade física, como passeio e brincadeiras mais intensas, e promover inteiração com os tutores.

Caso o seu pet já apresente manias compulsivas instaladas, muito cuidado ao tentar intervir, seja dando petiscos, brinquedos ou broncas quando o animal estiver realizando o ato indesejado, pois ele pode interpretar isso como o motivo de ter ganhado a sua atenção, o que pode acabar reforçando estes comportamentos compulsivos.

Em muitos casos, o médico veterinário pode prescrever medicações como antidepressivos e ansiolíticos para auxiliar no tratamento deste tipo de problema. O DAP (Dog Appeasing Pheromone ou feromônio apaziguador de cães) oferece um grande suporte no tratamento principalmente no caso de cães medrosos e ansiosos, uma vez que se trata de uma substância sintética, similar ao que as cadelas liberam durante a amamentação, que traz sensações de segurança e calma aos cães.

Tanto as medicações quanto o DAP não resolvem o problema da compulsão, mas dão suporte durante o treino de modificação de comportamento.

Caso o seu cãozinho apresente algum comportamento compulsivo, procure ajuda de um médico veterinário e de um adestrador profissional, pois as manias compulsivas tendem a piorar sem a intervenção adequada.

Por Tatiane Abe, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Deixe seu comentário

Os comentários abaixo são de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Jornal Imprensa ABC. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos usuários e a conta do Facebook do autor poderá ser banida.