Cuidados com o pet no verão

Essa época do ano requer alguns cuidados especiais com os nossos pets, pois, assim como nós, eles também sentem os desconfortos do verão.

É importante manter as atividades físicas, porém, de forma moderada, fazendo pausas entre as brincadeiras e sempre oferecendo água fresca. Os passeios devem ser realizados nos horários com temperaturas mais amenas, como no início da manhã ou no fim de tarde e noite, para evitar hipertermia (aumento da temperatura corporal).

Além disso, evitar passear nestes horários faz com que o pet não queima as patinhas no asfalto quente.

Em casa, mantenha vários pontos de água limpa e fresca para seu pet para que ele se hidrate, podendo colocar até alguns cubos de gelo nas vasilhas. Não esqueça de levar água para o amigo também nos passeios.

Fornecer atividades refrescantes, como brinquedos recheáveis com água de coco congelada, sorvetes caseiros – feitos com água, pedaços de frutas e/ou ração e petiscos – garantem a diversão dos peludos nos dias mais quentes.

Realizar uma tosa e uma escovação dos pelos com mais frequência também ajuda o animal a se manter mais fresco durante o verão.

Caso seu pet possua pelagem curta e clara, peça a indicação de um protetor solar específico ao veterinário. Aplique sempre que o bichinho for exposto aos raios solares nos locais com menos pelos que acabam sendo mais atingidos, como orelhas, focinho, e ao redor dos olhos.

Banhos de piscina e mar são ótimas alternativas, desde que seu pet saiba nadar e sair da piscina. Nunca o deixe sem supervisão nesses locais. Vale usar piscinas plásticas rasas ou bacias com água para ajudar a refrescá-lo sem o perigo de afogamento ou de não conseguir sair da piscina. Banhos regulares também são uma alternativa para ajudar a diminuir o calor, mas sem exageros, pois shampoos e sabonetes em excesso podem causar o ressecamento da pele.

Além das dicas de como ajudar o seu amigo a lidar melhor com o calor, é importante manter o antiparasitário dele em dia, pois a procriação de pulgas e carrapatos é maior em épocas quentes e úmidas.

Esta dica vale para o ano todo, mas em especial em dias muito quentes: não deixe o pet preso no carro nem por um minuto. A temperatura dentro do carro esquenta muito rapidamente, mesmo com a janela um pouco aberta, podendo fazer o pet entrar em hipertemia rapidamente.

Sempre fique atento aos sinais de cansaço e desconforto, como estar muito ofegante, salivando, com dificuldade para respirar, língua roxa, prostração e vômitos, pois estes podem indicar uma hipertermia.

Caso o pet não seja retirado da situação que está causando estes sintomas, ele pode ter a situação agravada e até chegar a óbito.

Devemos ter um cuidado especial com os braquicefálicos, que são as raças de focinho curto (Buldogues, Pugs, Shih Tzus e os gatos Persas), pois elas acabam sofrendo mais com as temperaturas altas em virtude da dificuldade de manter a temperatura interna corporal através do ofegar.

Pets idosos, com sobrepeso, problemas cardíacos ou respiratórios também precisam de atenção especial. Qualquer mudança de comportamento ou sinais relatados acima devem ser levados em consideração.

Por Tatiane Abe, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Deixe seu comentário

Os comentários abaixo são de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Jornal Imprensa ABC. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes poderão ser denunciados pelos usuários e a conta do Facebook do autor poderá ser banida.